Revista Saúde
VOCÊ ESTÁ EM:
UMUARAMA

Edição Nº 41
Junho de 2014

Trombose Venosa: O que é, como tratar e como prevenir?

1. O que é trombose venosa?


Trombose venosa é a formação de trombos (ou coágulos) dentro das veias. O sangue normalmente circula dentro das veias na forma líquida e algumas situações fazem com que ele (o sangue) se torne sólido, interrompendo assim o fluxo sanguíneo. A trombose ocorre mais frequentemente nas veias dos membros inferiores, impedindo desse modo o retorno de sangue das pernas em direção ao pulmão, onde receberia oxigênio. Assim que se forma, o trombo apresenta uma consistência amolecida como uma gelatina, podendo então deslocar-se das veias da perna indo em direção ao pulmão, levando a uma condição grave que é a embolia pulmonar, por vezes fatal. Com o passar do tempo o trombo torna-se sólido, diminuindo o risco de deslocamento.


2. Quais são as suas principais sequelas?


Com o passar dos meses, o próprio organismo encarrega-se de dissolver esse trombo e de recanalizar as veias que sofreram trombose. Porém, essa dissolução não ocorre em todos os casos de forma adequada e quando ocorre existe destruição das válvulas que existem dentro das veias que mantém um fluxo sanguíneo unidirecional. Quando a trombose atinge veias maiores, como as veias ilíacas e a veia cava inferior (veias intra-abdominais que drenam as veias dos membros inferiores), a dissolução do trombo é menos comum e a função geralmente é comprometida. Desse modo, após uma trombose extensa, as principais sequelas ocorrem em consequência da dificuldade que o fluxo de sangue encontra para retornar das perna em direção ao pulmão. Isso leva a formação de varizes, inchaço persistente nas pernas e mais tardiamente, ao aparecimento de feridas de difícil cicatrização. Os pacientes também queixam-se de desconforto importante na extremidade acometida gerando uma restrição considerável para realização de várias atividades. As sequelas tornam-se mais importantes e acentuadas, principalmente em indivíduos jovens, cuja expectativa de vida é muito longa e em pessoas mais ativas que utilizam os membros inferiores com mais intensidade. Nesse grupo de pacientes, a dissolução dos trombos e a manutenção da função das válvulas são imprescindíveis para evitar sequelas severas a longo prazo.


3. Quais são as novas tecnologias disponíveis no tratamento da trombose venosa? e 4. Qual a diferença dos outros tratamentos? e 5. Quais as vantagens das novas tecnologias?


Até alguns anos atrás, o tratamento dessas tromboses mais extensas era realizado com uma medicação anticoagulante que não dissolve a trombo, mas permite que o próprio organismo dissolva o trombo com segurança durante um processo que pode variar de alguns meses até 2 anos. Adicionalmente, uma parcela considerável de pacientes não apresenta resolução total da trombose. Recentemente, duas novas modalidades de tratamento estão revolucionando o tratamento desse tipo de paciente:


1. Uma medicação que praticamente dissolve o trombo em um ou dois dias pode ser utilizada nesse casos. O trombolítico (como é chamada) deve ser liberado dentro do trombo através de cateteres específicos e seguindo um protocolo rígido de segurança. Como a medicação é potente, nem todas as pessoas são elegíveis para esse tipo de tratamento.


2. Pacientes que não podem utilizar-se dessa medicação trombolítica, atualmente também podem beneficiar- se de mecanismos de dissolução e aspiração de trombos. Existe disponível em nosso meio um mecanismo que faz a lise (quebra) mecânica do trombo em diminutos pedaços e aspira esses microfragmentos para que não se desloquem em direção ao pulmão, sendo que sua eficácia e segurança foram comprovadas pelos órgãos regulatórios.


Utilizando-se de uma dessas novas tecnologias, ou até das duas em conjunto, a dissolução rápida do trombo em poucos dias (ou até horas) faz com que a função das válvulas venosas sejam preservadas e que as veias não permaneçam parcial ou totalmente ocluídas, dificultando assim o fluxo de sangue. Sequelas tardias que causam desconforto, inchaço, varizes e até feridas de difícil cicatrização são evitadas, impedindo que os pacientes venham a apresentar qualquer restrição maior que, as vezes, podem inclusive gerar incapacidade para o trabalho e qualidade de vida reduzida.


6. Quais pessoas podem realizar o procedimento?


Essas duas modalidades de tratamento não são para o tratamento de todos os tipos de trombose venosa. Muito pelo contrário, apenas parte dos pacientes se beneficiam dessas duas modalidades. São eles: pacientes jovens com longa expectativa de vida, com tromboses venosas extensas e que exerçam atividades ou trabalho com os membros inferiores.


7. A recuperação é mais rápida? Como é a recuperação?


Como a dissolução do trombo é realizada em poucas horas ou dias, a recuperação é muito mais rápida quando comparada ao tratamento convencional com medicaçãoes anticoagulantes apenas. Após uma semana, em média, os pacientes estão aptos a retornar as suas atividades normais. Não existe necessidade de incisões maiores ou anestesia geral.

Erro
Comunicar erro
Compartilhe essa matéria
Marcio Miyamotto
Cirurgia Vascular
CRM/PR 16.667
Av. Presidente Affonso Camargo ,1399 | Ponta Grossa
(41) 3244-8787
Busque aqui o seu profissional de saúde








BUSCAR
MATÉRIAS











SEJA UM
FRANQUEADO

Revistas
A Franquia Revista Saúde vem construindo uma história de sucesso há 10 anos, e agora você pode fazer parte dela.
Proibida a reprodução total ou parcial das matérias contidas neste site, sem a permissão expressa da Revista Saúde.

Prestige